my CGC

Rastreio Pré-natal

Saber informações acerca do bebé o mais cedo possível, é o desejo de qualquer gestante.

Dois a três por cento dos bebés nascem com variados problemas de desenvolvimento que podem resultar de alterações dos cromossomas, malformações congénitas, doenças genéticas ou causadas por agentes externos (como infecções/medicamentos). O Rastreio Pré-Natal permite identificar gestantes com risco aumentado para algumas anomalias cromossómicas.

O CGC desenvolveu o Rastreio Pré-Natal Combinado Precoce que ocorre em duas fases.

O Rastreio do 1º Trimestre é atualmente aceite como o melhor meio de rastreio pré-natal de Síndrome de Down (Trissomia 21), com taxas de detecção elevadas (90 a 97%) para taxas de falsos positivos reduzidas (3 a 5%). Este teste combina valores de parâmetros bioquímicos (free ßhCG e PAPP-A) com parâmetros ecográficos (translucência da nuca e ossos próprios do nariz).

Este teste também permite calcular o risco para Trissomia 18 e Trissomia 13.

1. Colheita de sangue para análise bioquímica (cartão de filtro)

Efetuada das 9 às 12 semanas (de preferência da 9ª à 10ª). O poder discriminativo da PAPP-A, entre valores normais e anormais, é significativamente maior nesta fase da gestação, elevando a taxa de detecção. O resultado é retido até recepção dos dados ecográficos.

2. Ecografia para avaliação da translucência da nuca TN

Efetuada entre as 11 e as 12 semanas, intervalo de tempo em que a TN apresenta maior poder discriminativo entre valores normais e anormais. Com este protocolo precoce é possível retirar o maior benefício, no melhor momento, de cada um dos marcadores utilizados.

 

Rastreio pré-natal de segundo trimestre

Colheita de sangue (cartão de filtro) realizada entre as 14 e as 22 semanas para análise bioquímica de Alfafetoproteína (AFP) e Gonadotrofina Coriónica Humana livre (free β-hCG). O rastreio de 2º trimestre deteta mais de 98% dos bebés com anencefalia, 90% dos casos de espinha bífida e 80% dos casos de Síndrome de Down e trissomia 18.

Um teste de Rastreio Pré-Natal que indique um risco reduzidos não exclui a possibilidade de o bebé ter Síndrome de Down, Trissomia 18 ou outra anomalia cromossómica, nem elimina a possibilidade de defeitos congénitos, atraso mental ou outras doenças não detetáveis por Rastreio Pré-Natal, indica que existe um risco baixo para as anomalias consideradas.

 
Para esclarecimento de qualquer dúvida contate-nos ou consulte o seu médico.